Arquitetando Estilos

Lúpulo e o tabu da Ambev

Esta semana uma propaganda da gigante Ambev me chamou a atenção e me fez refletir sobre alguns aspectos.

Eles lançaram uma cerveja com “lúpulo” e na propaganda durante todo o enredo a palavra “tabu” aparece como tema principal. Curioso e ao mesmo tempo muito estranho.

Me perguntei se adicionar lúpulo na cerveja é “diferente” desde quando? Sabe-se que este precioso ingrediente cervejeiro é conhecido desde 1167, quando a monja alemã Hildegard Von Bingen já escrevia em seus textos muitos estudos e observações no campo da natureza (é atribuído a ela a primeira experiência com lúpulo na cerveja).

Outra hora terei o prazer de escrever sobre essa mulher maravilhosa que mudou a história da cerveja pra sempre.

O lúpulo é tão importante para a cerveja, quanto a uva para o vinho.

Estamos falando de uma planta trepadeira que pode chegar a seis metros de altura e que além de emprestar qualidades conservantes naturais à cerveja engarrafada ou enlatada, proporciona amargor e uma vasta gama de aromas e sabores ao líquido mais consumido do mundo.

Garrett Oliver em seu livro “A Mesa do Mestre-Cervejeiro” diz que o lúpulo é a “espinha dorsal da cerveja”, pois é ele que tempera e traz equilíbrio às receitas maltadas.

Os cervejeiros de antigamente tinham que se virar para trazer tais características às suas receitas, usavam tantos condimentos e ingredientes em suas receitas que quase nada do que se chamava cerveja antigamente, poderia de fato, ser intitulado assim nos dias de hoje.

Em termos botânicos, pertence à ordem das “canabináceas” ficando bem próxima da Cannabis sativa, conhecida como maconha. Ela é usada no ramo farmacêutico em larga escala em países como Alemanha e Estados Unidos, sua versatilidade assusta, como mencionei, ela tem características bactericidas e relaxantes naturais que fariam qualquer lutador de UFC dormir como um anjo.

No universo cervejeiro esta plantinha eclética é produzida e cultivada em abundância por países como Inglaterra, Alemanha, República Tcheca, Estados Unidos e Nova Zelândia, suas características sensoriais são igualmente abrangentes, um lúpulo pode trazer notas de resina e pinho, de terra ou grama molhada, de especiarias, flores e madeira, toranja, mofo ou limão.

Um mestre-cervejeiro deve conhecer muito bem a característica individual de cada varietal para obter o resultado que espera em sua criação, conseguem compreender a complexidade desta tarefa? Isso que só estamos falando de um único ingrediente usado nas receitas.

Nestes quase dez anos de profissão dedicados à cultura cervejeira, o lúpulo sempre foi um assunto de cotidiano, de muita histeria, contradição, dúvidas e medo. É normal uma pessoa num primeiro instante se assustar com suas características sensoriais, lembro vocês que ele é quase cem por cento responsável pelo amargor da bebida (entre tantas outras citadas acima), o brasileiro cresceu sob a informação de que tudo o que é amargo é ruim, a associação com remédios, chás para o estômago e coisas do tipo são inevitáveis. Portanto, caro leitor, ou você o ama, ou o odeia. Com o tempo, evolução sensorial particular e principalmente informação, é natural que você passe a vê-lo, cheirá-lo e saboreá-lo de forma diferente.

Nós sempre tomamos muito cuidado com isso aqui na loja justamente por conhecer o ciclo natural de desenvolvimento de cada indivíduo, não queremos perder o cliente porque oferecemos uma cerveja muito amarga pra ele, essa experiência pode ser tão ruim e traumática que esta pessoa pode não mais voltar e passar a julgar todas as cervejas como sendo muito amargas e “fortes” (palavra comum quando alguém quer dizer que uma cerveja é lupulada”).

Novamente finalizo e insisto dizendo que é preciso saber o que você quer beber, as características que você busca e sempre passar essas informações ao atendente, a chance de acertarmos na escolha é muito grande, mas depende também do cliente.

Diálogo é sempre importante em qualquer comunicação!

Anderson Cesari

Sobre Anderson Cesari

Publicitário, Empresário e Sommelier de Cervejas
contato: (45) 9993-3600
Cascavel - PR

Todos os posts

Posts Aleatórios

Anderson CesariLúpulo e o tabu da Ambev

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *