Arquitetando Estilos

MAIS SEXO COM COMÉDIA E MENOS DRAMA

Dentro de relatos na psicoterapia sexual, escuto de muitos casais que um parceiro fica muito sério quando faz sexo. Isso tanto de homens como de mulheres. E essa seriedade envolve uma expressão facial ou também uma ausência de demonstração de prazer, sendo capaz de atrapalhar um momento que poderia ser relaxante e agradável.

Sexo é sim coisa séria, e deve ser feito com responsabilidade. Mas não quer dizer que a pessoa precisa ficar séria quando faz sexo, não é mesmo? 

Nessa entrega da intimidade, a alegria, o relaxamento e a manifestação do prazer podem fazer parte de um momento descontraído e muito mais interessante para o casal.

A comédia não significa fazer piadas, “tirar sarro” do outro, mas sentir a sensação de curtir esse momento, sem medo de expressar com sorriso, suspiros e demais demonstrações que está presente nesse ato de prazer.

Quando associamos o drama ao sexo, para muitos casais, precisamos também levar em conta alguns aspectos, que acaba se tornando uma tragédia, podendo envolver pudores, dores, repulsas, medos, fazendo do sexo algo completamente devastador para o emocional e para o relacionamento.

Sexo não pode ser um ritual, e nem pode ser por obrigação, precisa ser feito como ir à uma festa e curtir esse momento.

Entendo que para muitas pessoas não é tão fácil vivenciar o ato sexual dessa forma, por isso procurar identificar uma dificuldade e uma ajuda profissional pode fazer a diferença quando falamos de sexo com prazer.

Outro item é a rotina sexual que também pode levar a uma seriedade, pois acaba se tornando algo automático, e nem sempre o fazem porque o casal está com vontade, mas porque se tornou um hábito. Evite essa rotina, a criatividade pode valer a pena.

Outra questão que torna o sexo mais dramático é a preocupação do sucesso pelo orgasmo, ou também se concentrar apenas na região genital. Tire o foco, mas se concentre nas sensações de todo o corpo. Explorar o seu e o corpo do outro pode intensificar mais a excitação, sendo muito mais fácil conseguir sentir o orgasmo.

Perceba e brinque com outras partes do corpo. O orgasmo é apenas uma consequência de todo o prazer que irá sentir.

Três coisas a se valorizar: sensorial (5 sentidos – olfato, visão, audição, paladar e toque), sensual (seduzir e deixar ser seduzido) e o sexual. Com isso, une-se a contemplação do corpo inteiro, retirando a fixação pelos órgãos sexuais.

Sexo bom é o sexo apreciado. Assim, por exemplo, ao comer um alimento sem ao menos sentir o gosto, simplesmente porque se deve comer para sobreviver, ou degustar saboreando a cada garfada ingerida. Há uma enorme diferença entre os dois contextos.

Fazer com alegria, brincar e se acariciar, não há regra!

Cada casal cria as suas próprias regras, desde que os dois estejam bem e satisfeitos da forma como o sexo está sendo feito.

Apreciar com sabedoria nos promove muito mais prazer.

Forte abraço,

Adriana Visioli

Adriana Visioli

Sobre Adriana Visioli

Psicóloga com especialização em Análise do Comportamento e Terapia Sexual e de Casal.
Cascavel - PR.

Visite meu site
Todos os posts

Posts Aleatórios

Adriana VisioliMAIS SEXO COM COMÉDIA E MENOS DRAMA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *