Arquitetando Estilos

Não vamos por causa da criança. Antes tédio do que frustração!

Olá, hoje vou falar um pouco sobre quando as crianças não conseguem ter os comportamentos adequados em certos ambientes, bem como a tendência quase natural dos pais a desistirem de leva-las em restaurantes, festas, mercados e igreja por exemplo…

Com frequência pais me procuram na escola com esta queixa:

Não dá mais para irmos em lugar nenhum, é só estresse e então acabamos ficando sempre em casa

Mas será que ficar em casa é uma forma inteligente de resolver este problema?

Pra responder à pergunta acima, primeiramente precisamos responder outra questão, que é: “Qual problema você está querendo resolver?”

Pois sim, se o problema que os pais querem resolver é o do filho, que PRECISA aprender a se comportar devidamente em cada ambiente, privá-lo destes locais será tão eficaz quanto escutar música para aprender a ler, ou seja, vai na contramão do que se quer.

E então nos deparamos com a outra questão: Vocês querem resolver o problema a curto prazo ou a longo prazo?

Resolver o problema a curto prazo é impedir o estresse causado naquele contexto, evitando-o… SIM, eu entendo perfeitamente que pode ser realmente desgastante se expor como pais, perante outras pessoas, conhecidas ou não, que sempre farão julgamentos e os farão parecer o maior fracasso do mundo com seus filhos. Porém, a preocupação maior, mais legítima, senão a única, deve ser no desenvolvimento pleno dos filhos, certo? Neste caso a preocupação sobre o próprio estresse e com o que os outros vão pensar, PRECISA ficar em segundo plano!

Ao contrário, resolver o problema a longo prazo é vivencia-lo diversas vezes, encontrando mecanismos para ajudar a criança a desenvolver as habilidades (TÃO absolutamente) necessárias para conviver em sociedade nos diversos ambientes. E é óbvio que isso pode não ser fácil e simples, mas eu tenho uma dica que costuma ser de ouro por que é super eficiente quando aplicada ao pé da letra:

* Antes de chegar ao local onde seu filho nunca foi, ou costuma não se comportar, explique a ele que tipo de lugar é aquele, o que é adequado fazer e como as pessoas se comportam. EVITE dizer o que ele não pode ou não deve fazer, também não fique relembrando as vezes em que ele não se comportou pois isso reforça a crença de que ele não será capaz novamente. Ao contrário disso você deve sempre acreditar na potencialidade dele e reforçar isto.

* Quando vocês chegarem e nem tudo transcorrer como combinado, chame-o e o advirta, lembrando-o o que você havia explicado anteriormente. Caso o mau comportamento persista (e é BEM PROVÁVEL que isso aconteça), despeça-se das pessoas, chame o seu filho e vá embora.

Difícil? Difícil. Como sempre digo aqui, educar é uma tarefa MUITO difícil, e se você está sempre seguindo o caminho mais rápido e simples certamente está fazendo errado!

Ao fazer isto você dá a criança a oportunidade de estar no local, e de aprender como deve se comportar. Vai ensiná-la também a acreditar na sua potencialidade, no tanto que ela é capaz de mudar se quiser. E vai ensiná-la que em determinadas situações a gente precisa se adaptar, principalmente no contexto social, o que é super válido e verdadeiro.

Agora, não posso deixar de dizer que é necessário ter bastante noção de infância para fazer isto, você precisa ensinar o seu filho a se comportar no ambiente como uma criança deve se comportar, e não como um adulto. Preocupe-se, e muito, se ele tiver comportamentos adultos!

E pra terminar uma dica, para pais e todas as pessoas de modo geral, por que todos somos expostos a situações sociais em que existem crianças tendo comportamentos inadequados: quando estiver no restaurante, mercado, igreja, ou quaisquer locais onde isto possa ocorrer, abstenha-se até mesmo de olhar a cena, fuja dela. A educação dos filhos NÃO é domínio público, e na maioria das vezes as pessoas ao redor não fazem a menor ideia do que aquela família está passando, então NÃO SE META!

Talita Felipe

Sobre Talita Felipe

Psicóloga escolar e infantil, especialista em Terapia Cognitivo Comportamental.
CRP 8 n°16669
Centro Integra - Rua Souza Naves 3094 - Cascavel - PR.
Telefone: (45) 9912-6401

Visite meu site
Todos os posts

Posts Aleatórios

Talita FelipeNão vamos por causa da criança. Antes tédio do que frustração!

Related Posts

2 comments

Join the conversation
  • Ellen - 19 de fevereiro de 2018

    Ótimo… É isso mesmo!

  • PhiNeX - 1 de março de 2018

    Talita Felipe, thanks for the article post.Really thank you! Great.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *