Arquitetando Estilos

O Mundo Muda Muito em Três Anos

O quanto mudamos em tanto ou tão pouco tempo? Podemos mudar ou apenas descobrimos o que já sabíamos, em algum momento, que ia acontecer?

Antes de mudar de escola, eu tinha muitas certezas, gostava de quem eu era, era suficiente, achava que já tinha superado vários percalços, estava magra, feliz, com amigos. Em 2015 as coisas mudaram um pouco.

Sobrancelha grossa, cabelo ondulado, até uma sombrinha cor de rosa mara foram motivos de zoação entre as novas pessoas da minha sala. Muitas pessoas lá eram maravilhosa – coisa que só fui descobrir depois de um ano passando perrengues e chorando escondido – eu sofri bullying de pessoas tão pobres de espírito na época que não sabiam lidar consigo mesmas, quanto mais com alguém tão diferente quanto eu.

Até hoje não sei o que se passou naquele momento, não sei porque aquelas pessoas me trataram assim, mas me trataram, no fim, descobri amizades verdadeiras que me apoiaram naquele momento, e foi fantástico, mas 2015 foi o ano em que precisei evoluir minha ingenuidade e aprender a ser diferente do que era, ser boazinha nem sempre funciona e eu tive que aprender isso na marra. Ah, e algumas pessoas vão te odiar sem você ter feito nada viu? Superem.

Eu não sabia o que esperar de 2016, minha melhor amiga no colégio tinha ido embora e eu estava indo para a luta novamente, com amigos sim, mas nem de perto com o apoio que tinha. Foi o ano em que descobri a verdadeira personalidade de tantas pessoas maravilhosas e conheci meninas novas, amigas de verdade, sinceras, amorosas e extremamente bravas, mas que eu amo.

Foi o ano de redescobrir algumas pessoas e descobrir novas, personalidades diferentes que me aceitavam e amavam exatamente do jeito que eu era, foi o momento de me sentir amada e acolhida por um grupo como eu sonhava desde que entrara, a verdade é que eu precisava passar por umas coisinhas antes de entender a complexidade de estar entre muitas pessoas, muitas amigas.

2016 foi o ano em que eu aprendi que muitas das minhas inseguranças e medos em relação ao que os outros vão achar de mim era coisa minha, que eu pensava de mim e não necessariamente que os outros achavam de mim. O mundo não gira em torno de você Gabriela please.

Se me falassem em 2015 que eu escreveria um texto homenageando minha sala, e mais, que eu sentiria tanta falta quanto estou sentindo, cara, nunca que eu ia acreditar, caramba, eu odiava aquela sala com todas as minhas forças, e hoje, eu a amo mais do que o meu coraçãozinho do tamanho de mão de criança pode aguentar.

Em 2017 eu descobri  quanto três anos passam rápido e quanto eu ainda tinha a trabalhar com a minha ansiedade, quanta sorte eu tinha com aquela minha segunda família, tanto quanto eu tinha sorte com a minha primeira. Tudo estava encaixado no momento que tinha que ser, como eu ia fazer alguma coisa se antes não passasse por todos aqueles obstáculos, eu conheci novas pessoas que me ensinaram muito, pessoas que eu não achei que ia gostar, descobri a diferenciar sentimentos, chorei pacas por pessoas que não mereciam, recebi olhares raivosos que eu ainda não entendo pelos corredores, eu sorri, pulei, vivi, briguei e reconciliei, como eu amei 2017 cara e já  no fim, eu descobri tantos sentimentos, descobri que minha ansiedade tem o tempo dela e que respeitá-la é o que eu tenho que fazer se quiser entender mais sobre a minha intensidade. Eu apaguei e criei um blog. Comecei a escrever para uma revista virtual. 2017 foi o meu ano Caramba e ninguém vai me tirar isso, eu estou aprendendo a lidar comigo mesma e respirar aliviada no fim do dia é o objetivo sempre.

Eu também descobri que tudo acontece por uma razão.

E que o choro é livre, e infelizmente o ódio também tem sido, é por isso que o amor é tão necessário.

E que manter amizades verdadeiras é importante e especial, tanto quanto fazer novas.

O que muda na Gabi de 2014 para a Gabi de 2017, com certeza não a altura, mas o que eu entendi aqui dentro do meio peito, da minha alma, em algum espaço tempo a Gabi de 2014 ta me olhando orgulhosa porque depois de achar que não ia conseguir, eu me tornei tudo o que ela mais queria que eu fosse, mesmo que na época ela não soubesse disso.

Muita coisa muda em três anos, mas algumas coisas devem permanecer iguais sempre.

Posts Aleatórios

Gabriela Bergamo EstevesO Mundo Muda Muito em Três Anos

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *