Arquitetando Estilos

Pilates na gestação – Quais os benefícios antes, durante e no pós-parto

Durante o desenvolvimento da gestação, a mulher sofre muitas mudanças em seu corpo, que vão acontecendo em um curto espaço de tempo, aproximadamente por volta de 42 semanas. Sendo assim, é necessário que o corpo se prepare, e se adapte da melhor maneira a estas transformações.

O Método Pilates é considerado uma ótima opção para esta preparação, pois pode ser aplicado em todas as fases da gestação, no primeiro, segundo e terceiro trimestre, trazendo inúmeros benefícios, bem como, contribuindo no momento do parto.

Para cada trimestre, são realizados exercícios específicos, respeitando as capacidades e limitações de cada gestante, bem como executados de forma lenta, enfatizando na respiração e no controle do movimento o tempo todo, ajudando a melhorar a consciência corporal e o controle emocional.

Além destes benefícios, o Pilates também auxilia no pós-natal, fazendo com que as mamães se recuperem e retornem ao seu corpo natural mais rapidamente, por ser um método que promove alongamento e fortalecimento do corpo de forma global.

Importante salientar, que devemos observar a individualidade de cada mamãe, e adaptar os atendimentos conforme necessário.

Principais alterações e os benefícios do Pilates na gestação


Conforme a gestação se desenvolve as mulheres sofrem uma série de modificações na sua postura, o centro de gravidade vai mudando consideravelmente, gerando uma alteração no posicionamento da pelve, que se inclina, e se esta inclinação ocorrer de forma excessiva, pode gerar dores, principalmente na coluna lombar.

Com a pratica do Pilates, as futuras mamães se beneficiam com o fortalecimento e alongamento da musculatura mais profunda, como o transverso do abdômen e psoas, contribuindo para uma melhor postura durante toda a gestação e reduzindo as dores em geral.

Além disso, normalmente as mulheres neste período aumentam de peso, em consequência do peso do bebe e do próprio peso corporal, o que também contribui para a ocorrência de dores nas costas, e até mesmo, pode intensificar as alterações posturais e dores que a gestante tinha antes de engravidar.

Com o fortalecimento da musculatura corporal, utilizando os princípios do Pilates, promove-se um aumento na resistência física, melhorando a disposição e agilidade, auxiliando no controle de peso.

Ao passo que a gestação vai se estendendo, a capacidade respiratória também vai se tornando mais dificultada, pois bebe cresce e a barriga aumenta, empurrando diafragma para cima. No Pilates, damos ênfase para o controle da respiração, mobilizando caixa torácica tridimensionalmente, o que melhora a expansão pulmonar, e eficiência da oxigenação, tanto para a mãe, quanto para o bebe.

Além disso, as mamães aprendem a respirar melhor, de forma lenta e profunda, que acabam por auxiliar na hora das contrações e no próprio parto, visto que, esse tipo de respiração é o mais indicado para estes momentos.

Sabe-se que na gestação tem-se um aumento do volume liquido em cerca de 30%, o coração trabalha duas vezes mais que o normal, o útero aumenta sua necessidade de sangue em 50%, e os rins de 25%. Este fluxo aumentado, sobrecarrega os vasos linfáticos (responsáveis pela drenagem), dificultando o retorno venoso, o que leva ao inchaço, principalmente nas pernas.

No Pilates, o corpo é ativado globalmente, e em diversas posições, o que facilita o retorno venoso e melhora a circulação sanguínea, favorecendo uma irrigação mais efetiva pelo corpo, e consequentemente para o bebe.

As gestantes sofrem diversas mudanças em seu corpo, como já mencionamos, inclusive no sistema hormonal. Desde o início, tem-se a produção do hormônio Relaxina, responsável por aumentar a frouxidão nos ligamentos e articulações, e auxiliar na acomodação do bebe na pelve, facilitando o parto.

No entanto, esta frouxidão provoca uma instabilidade articular, que pode levar a desconfortos e dores em outras articulações, como quadril, joelhos, tornozelos, punhos, mesmo sendo benéfica para a gestação.

Com o Método Pilates, promove-se um melhor posicionamento articular, evitando situações de extrema flexibilidade, dando prioridade para o bem-estar da mulher e não o estresse físico, trabalhando mente e corpo juntos, o que ajuda no controle hormonal, e ameniza as alterações e sintomas gerados por ele.

Pilates na prevenção de diástase abdominal

Durante a gestação também ocorre um estiramento da musculatura abdominal, que praticamente dobra de tamanho, e os retos abdominais sofrem uma alteração, afastando seus feixes de junção, ocorrendo a chamada diástase abdominal fisiológica, e que pode ser prejudicial, quando passa de 2,5 cm de largura.

A pratica de atividade física antes e durante a gestação, contribui para o fortalecimento dos retos abdominais, e alongamento de forma sutil da musculatura abdominal, que reflete em uma diástase de menor valor, além de ajudar no retorno mais rápido dessa diástase nos padrões anteriores a gravidez.

Conforme os exercícios vão sendo direcionados, a gestante também aprende a controlar a zona pélvica, realizando contrações e relaxamento desta região, o que facilita na hora do parto, aprendendo a relaxar a musculatura pélvica para o momento da expulsão do bebe, e propiciando uma boa e rápida recuperação dessa musculatura já fortalecida.

Esta consciência da região pélvica, previne e minimiza a ocorrência de incontinências urinarias e hemorroidas, queixas frequentes em gestantes, devido ao estiramento do assoalho pélvico pelo peso do bebe.

Contudo, o Pilates direcionado para essas disfunções, só irá ajudar a reverter e beneficiar estas mamães. Além de buscar sempre o conforto, sem que ela se exercite exaustivamente, assim, ela ficará relaxada, saindo dos atendimentos com uma sensação de bem-estar e alegria.

Por todos estes benefícios citados a cima, e muitos outros, é que o Pilates tem se tornado a modalidade preferida das gestantes.

Além de que, a gestação é uma fase muito importante na vida da mulher, por isso, deve-se ter algumas precauções para que tudo ocorra da melhor maneira.

Portanto, procure por profissionais já familiarizados com o Pilates para gestantes, para realizar a prática de forma adequada e sem riscos.

Mesmo que a gestante não pratique atividades físicas antes de engravidar, ela pode iniciar o Pilates desde os primeiros meses da gestação, após a liberação médica, se os exames e consultas pré-natais estiverem normais. E ela pode manter a pratica até o fim da gestação, se estiver confortável.

Mas o mais importante, é que as mamães estejam conscientes da importância de praticarem qualquer exercício, sendo o Pilates um excelente aliado e muito bem notado nestes casos.

Até a próxima,

Grazi.

Grazieli de Paula

Sobre Grazieli de Paula

Fisioterapeuta com formação em pilates , musculação terapêutica e terapia manual.
Proprietária do Studio Pilates Grazi de Paula
Crefitto 157936-F
Cascavel - PR

Todos os posts

Posts Aleatórios

Grazieli de PaulaPilates na gestação – Quais os benefícios antes, durante e no pós-parto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *