Arquitetando Estilos

Segundo filho e o lugar do primeiro

Atualmente as famílias tem aderido cada vez mais ao filho único e sobre isto não vamos conversar hoje. Porém, quando escolhem ou simplesmente tem o segundo filho PRECISAM prestar atenção no primeiro que vai passar por um processo de mudança bastante significativo e precisar de auxílio dos adultos para enfrentá-la e poder superar.

Sobre este assunto existem alguns mitos e é deles que vamos falar hoje:

  • Quanto maior a diferença de idade mais fácil para o mais velho lidar com a mudança!

MITO

Se para nós adultos, a chegada de um bebê gera estresses em relação à adaptação a esta nova realidade IMAGINE para uma criança ou adolescente. Claro que se a diferença de idade for grande o primeiro filho não vai regredir no desfralde e voltar a ter enurese ou encoprese (como muitas vezes acontece no caso em que a diferença é de cerca de três anos), mas isto não significa que não haverá dificuldades.

  • Se houver um intervalo grande, o primeiro filho poderá cuidar do mais novo!

CUIDADO

É verdade que um adolescente tem condições de cuidar de um irmão menor, infelizmente isto não é mito. No entanto é injusto ao passo que não é responsabilidade dele, e pode ser desgastante e cansativo, afastando o mais velho do mais novo nesta relação fraterna, gerando no mais velho um autoritarismo irreflexivo e no mais novo a possibilidade de aprender com alguém que ainda está em formação. Ou seja, a aprender coisas e conceitos errados.

OBS.: eu não estou aqui criticando os pais que pedem ajuda, que deixam o mais velho (até mesmo quando ele é bem novo ainda) participar das tarefas que o novo bebê exige, mas estou falando sobre responsabilizar o mais velho quando a responsabilidade é única e exclusiva dos pais.

  • O mais velho não vai passar por nenhum problema porque ele queria muito um irmão!

MITO

Por mais noção que o seu filho mais velho já possa ter, o fato de que era ele quem fazia campanha para que vocês engravidassem de novo, não muda em NADA toda esta difícil adaptação, e ele vai precisar de atenção SIM.

Em relação aos mitos mais famosos esclareci todos, mas não posso deixar de dizer que independente da vontade do primogênito de ter um irmão, ou de não ter ESSA É UMA DECISÃO EXCLUSIVAMENTE DO CASAL. Claro que ter irmãos é ótimo, mas são os pais quem estabelecem os critérios e escolhem se irão ou não ter mais filhos.

É importante também explicar para o mais velho que a gente não escolhe o sexo do bebê, parece uma besteira, mas quando os pais estão tentando e o filho único esperando, estas fantasias permeiam o imaginário infantil e o contrário pode causar decepção e mais problemas!

Espero ter esclarecido para você as questões em relação ao assunto, se ficarem dúvidas pergunte!

Talita Felipe

Sobre Talita Felipe

Psicóloga escolar e infantil, especialista em Terapia Cognitivo Comportamental.
CRP 8 n°16669
Centro Integra - Rua Souza Naves 3094 - Cascavel - PR.
Telefone: (45) 9912-6401

Visite meu site
Todos os posts

Posts Aleatórios

Talita FelipeSegundo filho e o lugar do primeiro

Related Posts

1 comment

Join the conversation
  • claudemir - 16 de Abril de 2018

    Texto bastante esclarecedor, ótimo! Fico na cusriosidade do assunto que diz respeito ao filho único rsrsrs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *